Se você já decidiu fazer a obra, existem algumas formas de economizar, evitar gastos extras e de evitar os tão indesejáveis atrasos.

A primeira sugestão é pesquisar bastante os materiais. “Os pisos de madeira, por exemplo, são muito bons, mas caros. O piso vinílico é tão bom quanto e custa muito mais barato”, afirma Pais, da Decorati.

Outra dica, segundo os especialistas, é contratar ajuda profissional. “Embora inicialmente pareça mais caro, um profissional conhece mais fornecedores, consegue barganhar, além de otimizar os gastos. Ele vai saber como montar algo e economizar com isso”, afirma Fernanda, da Très.

Mais uma sugestão que se pode considerar é a contratação de um seguro para obras e reformas. “Às vezes, o valor do seguro é 1% da obra e vale a pena. Evita dor de cabeça no futuro”, diz Fernanda.

A cobertura básica de um seguro de obra inclui proteção contra incêndio, raio, explosão, fenômenos da natureza (como nos principais seguros residenciais), além de erros de execução, desmoronamento, roubo ou furtado qualificado, entre outros.

Já as coberturas adicionais são: despesas de desentulho, despesas extraordinárias, equipamentos móveis, erro de projeto, responsabilidade civil, propriedades circunvizinhas, honorários de peritos, entre outras.

Para evitar os gastos extras (que, segundo Beraldo, do Iná, que são normalmente 5% do total da obra), uma sugestão é pedir para o arquiteto responsável mostrar o projeto quando estiver na metade dele.

“Assim, o cliente já vê o que daquelas ideias ele quer cortar ou mudar. Isso evita, inclusive, um retrabalho do arquiteto lá na frente”, afirma Fernanda.

Essa sugestão também ajuda a diminuir a possibilidade de atrasos na obra, já que toda a ideia do projeto estará acordada entre o cliente e a equipe responsável, sem precisar fazer mudanças no meio.